Cinzeiro, 17 obras de João Fábio Cabral
Cinzeiro, 17 obras de João Fábio Cabral

Cinzeiro, 17 obras de João Fábio Cabral

Modelo: Teatro
Disponibilidade: Em Estoque
R$ 62,00

Cinzeiro

A dramaturgia do João sempre me desequilibrou em cena, a sensação era como se eu fosse cair, mas cair rindo, bêbado e desesperado como um de seus personagens que fiz. Como leitor, amigo, como homem; me jogava no chão, na rua, quase de manhã, procurando EU, que acabara de fugir de MIM.

Sergio Guizé
Ator, participou da série Sessão de Terapia, exibida pela GNT,
e da novela Saramandaia, exibida pela Rede Globo.

 
Quem tem a oportunidade de entrar em contato com a dramaturgia de João Fábio Cabral, percebe a profundidade com que ele trata as suas histórias: a coerência da criação do texto, que deixa tão completa, tão precisa, a fábula vivida no palco, é a marca dos verdadeiros autores. E essa é uma grande característica do João Fábio, aquele que sabe dizer o que quer por meio de uma ação, sem quaisquer explicações ou mensagens sendo necessárias.

Marcos Loureiro
Ator, entre os seus trabalhos, destacam-se a direção de Hotel Lancaster, de Mário Bortolotto, Chorinho, de Fauzi Arap, e Delicadeza, de João Fábio Cabral.

 
Já disseram que o teatro tem que ser, por excelência, um agente transformador do indivíduo, e por consequência da sociedade. Não sei se é pra tanto. O que sei é que a dramaturgia do João Fábio Cabral me transforma e me instiga, seja como pessoa, seja como artista, mas, sobretudo, como expectador. Suas voltas e reviravoltas vão criando alçapões, armadilhas, e, quando menos esperamos, estamos pegos.
Na dramaturgia de João Fabio Cabral, o mais humano dos sentimentos é sempre a mola mestra que impulsiona as relações e inter-relações de seus personagens, nada mais que o AMOR, ou até mesmo a falta (e busca) dele.

Com a abertura política e intelectual do pós-regime militar, o experimentalismo e a investigação também se fundiram no teatro, enriquecendo um cenário que sofreu com a censura. Com a ânsia do náufrago que, resgatado, sai a correr pela praia e a tocar em tudo e todos que seu isolamento na ilha havia deixado distantes, essa reabertura levou a uma comunicação entre as artes cênicas e outras áreas da cultura e do conhecimento. Essa inventividade, tanto em forma quanto em conteúdo, traria à luz novos dramaturgos que também queria participar do processo criativo que o teatro vivia naquele momento. João Fábio Cabral é um desses novos roteiristas que despontaram no novo espaço aberto com o fim da repressão. São de Cabral as 17 peças reunidas na coletânea Cinzeiro, obras responsáveis por contribur para o enriquecimento do teatro brasileiro com suas inspirações urbanas, pelo diálogo hábil , suas descrições de cidades e paisagens urbanas, violentas e sujas, e pelas dores e deleites que nascem nesses espaços. Os textos de Cabral são, geralmente, focados nas emoções e tendem a descrever as diferentes formas de relações na sociedade. Com a prosa ágil e direta, capaz de capturar o leitor durante toda a obra, o dramaturgo apresenta temas como solidão profunda, da vida familiar, das relações homoafetivas e outras, provocando o leitor a posicionar-se e, com isso, realizar uma avaliação de si mesmo.

FICHA TÉCNICA:

Autor: João Fábio Cabral
Páginas: 708
Formato: 17 x 24 cm

ISBN:978-85-64013-87-2

Fazer um comentário

Seu Nome:


Seu Comentário: Obs: Não há suporte para o uso de tags HTML.

Avaliação: Ruim           Bom

Digite o código da imagem:



Descrição

Cinzeiro

A dramaturgia do João sempre me desequilibrou em cena, a sensação era como se eu fosse cair, mas cair rindo, bêbado e desesperado como um de seus personagens que fiz. Como leitor, amigo, como homem; me jogava no chão, na rua, quase de manhã, procurando EU, que acabara de fugir de MIM.

Sergio Guizé
Ator, participou da série Sessão de Terapia, exibida pela GNT,
e da novela Saramandaia, exibida pela Rede Globo.

 
Quem tem a oportunidade de entrar em contato com a dramaturgia de João Fábio Cabral, percebe a profundidade com que ele trata as suas histórias: a coerência da criação do texto, que deixa tão completa, tão precisa, a fábula vivida no palco, é a marca dos verdadeiros autores. E essa é uma grande característica do João Fábio, aquele que sabe dizer o que quer por meio de uma ação, sem quaisquer explicações ou mensagens sendo necessárias.

Marcos Loureiro
Ator, entre os seus trabalhos, destacam-se a direção de Hotel Lancaster, de Mário Bortolotto, Chorinho, de Fauzi Arap, e Delicadeza, de João Fábio Cabral.

 
Já disseram que o teatro tem que ser, por excelência, um agente transformador do indivíduo, e por consequência da sociedade. Não sei se é pra tanto. O que sei é que a dramaturgia do João Fábio Cabral me transforma e me instiga, seja como pessoa, seja como artista, mas, sobretudo, como expectador. Suas voltas e reviravoltas vão criando alçapões, armadilhas, e, quando menos esperamos, estamos pegos.
Na dramaturgia de João Fabio Cabral, o mais humano dos sentimentos é sempre a mola mestra que impulsiona as relações e inter-relações de seus personagens, nada mais que o AMOR, ou até mesmo a falta (e busca) dele.

Com a abertura política e intelectual do pós-regime militar, o experimentalismo e a investigação também se fundiram no teatro, enriquecendo um cenário que sofreu com a censura. Com a ânsia do náufrago que, resgatado, sai a correr pela praia e a tocar em tudo e todos que seu isolamento na ilha havia deixado distantes, essa reabertura levou a uma comunicação entre as artes cênicas e outras áreas da cultura e do conhecimento. Essa inventividade, tanto em forma quanto em conteúdo, traria à luz novos dramaturgos que também queria participar do processo criativo que o teatro vivia naquele momento. João Fábio Cabral é um desses novos roteiristas que despontaram no novo espaço aberto com o fim da repressão. São de Cabral as 17 peças reunidas na coletânea Cinzeiro, obras responsáveis por contribur para o enriquecimento do teatro brasileiro com suas inspirações urbanas, pelo diálogo hábil , suas descrições de cidades e paisagens urbanas, violentas e sujas, e pelas dores e deleites que nascem nesses espaços. Os textos de Cabral são, geralmente, focados nas emoções e tendem a descrever as diferentes formas de relações na sociedade. Com a prosa ágil e direta, capaz de capturar o leitor durante toda a obra, o dramaturgo apresenta temas como solidão profunda, da vida familiar, das relações homoafetivas e outras, provocando o leitor a posicionar-se e, com isso, realizar uma avaliação de si mesmo.

FICHA TÉCNICA:

Autor: João Fábio Cabral
Páginas: 708
Formato: 17 x 24 cm

ISBN:978-85-64013-87-2

Fazer um comentário

Seu Nome:


Seu Comentário: Obs: Não há suporte para o uso de tags HTML.

Avaliação: Ruim           Bom

Digite o código da imagem:



2017 © Editora nVersos - Todos os direitos reservados